Histórias para o “Call to Action”

Histórias para o “Call to Action”

Aproxima-se à alta velocidade a época em que o medo ou a ganância serão os dois motores do Call to Action do copywriting, que trata das técnicas de “redação de marketing”, ou seja, a produção de textos especializados em fechamentos de conversão: persuadir e vender.

Do dia para a noite aprendemos que, fora o medo de morrer sufocando numa cama infectada de um hospital de campanha, os outros medos, embora mais reais, não são tão midiáticos. Aquelas belas ofertas de ter uma casa numa ilha caribenha, dois BMWs na garagem e organizar festas de arromba, comer em restaurantes estrelados ou viajar na classe premium das melhores empresas aéreas do mundo, não terá mais qualquer significado. Para chegar à sua casa dos sonhos, terá de viajar? Vai aonde nos seus BMWs? Quem, com uma mente sã, viria à sua festa, mesmo que lhe pagasse? Existirá nos próximos anos um restaurante chique (ou popular) realmente seguro? Vírus respeitaria uma cortina dentro de um avião?

O fim das fórmulas do Call to Action?

Ou seja, ambição/medo como era antes, não será mais. Claro que, por um tempo, o Call to Action ainda seguirá esse modelo, do ganho fácil e do medo de não ter, não ser o primeiro. Mas com a grande exposição de todos nós a sites, landing pages, blogs, lives e tanto mais, estamos aprendendo a dar-nos conta de um texto original ou formulaico. E agora, José das Fórmulas? O que fazer?

Call to Action
Estruturando e escrevendo histórias

Como podemos nos aproveitar das histórias no Call to Action?

Uma coisa que não pode ser subestimada a milhares, quiçá, milhões de anos: contar histórias é fundamental para a experiência humana. É uma parte essencial do que nos torna quem somos. Estudos* mostram que o Storytelling, a utilização de histórias adequadamente alinhadas para fazer aflorar emoções, "paga dividendos valiosos aos próprios contadores de histórias, melhorando as suas chances de serem escolhidos como parceiros sociais e receber o apoio da comunidade".

Daí, a importância do conhecimento teórico e prático de como funcionam as histórias também ser fundamental aos negócios, como há milênios tem sido fundamental à comunicação humana em todos os níveis. Histórias conectam! Afinal, não só agora, mas desde sempre, a coisa mais impactante que podemos fazer é fazer conexões.

conexões
Histórias conectando, principalmente por meios digitais.

Pense em todas as boas histórias que você já ouviu e apreciou, sejam elas um podcast, uma canção, um livro ou uma história em um bar, ou na sala de estar da sua avó Matilda, tenho absoluta certeza de que todas eles fizeram com que você se sentisse conectado de alguma forma, não é verdade? E se o bom ‘contador de histórias’ é quem se torna o foco da festa e recebe mais apoio de sua ‘comunidade’, imagine o que uma empresa que conta uma história convincente pode se tornar. Imagine se, com o autor, você conta aquela história que todos carecem de ler? Você escreve aquele blog abordando assuntos que nos empurram para fora da nossa mesmice?

Como responder a essas questões?

Há muito mais na vida, e um período de confinamento nos ensinou isso, do que medos absurdos (de não ser bonito, de não pertencer, de ter partes do corpo menos ou maior que a média, de ser gordo, magro, careca, infeliz, solteiro etc etc etc.. e tal!) ou a inveja, que é a mãe da ganância (o ter um salário de 6, 10, 12, infinitos dígitos, adquirir toda a sorte de futilidades, mostrar para os outros que é escolhido por divindades que, se sabe, nem existem).

É exatamente isso que tenho mostrado em diversas lives, cursos, brevemente, mais livros: o meio virtual veio para ficar, os medos são outros e a ganância está passando a ser vista como sempre deveria ter sido: algo nojento e ridículo. Pois jogou na cara dos gananciosos que, por causa da ganância, um dia desses, um vírus ou bactéria, em um mercado em qualquer rincão, onde os pobres abastecem-se de comida, poderá chegar à sua porta, às suas mãos e o ganancioso morrer sufocado, sem ar. Ar: justamente o que é grátis ou não tem preço.

São palavras forte? Muitos dirão que não é bem assim? Obviamente, não sou profeta nem acredito em quem se diz ser. Mas consigo viajar no tempo, em direção ao passado, no Google mesmo, lendo documentos desde os tempos em que a humanidade começou a produzi-los. Mudou o cenário, o contexto, portanto, mudaram as histórias e a maneira de utilizar o Call to Action. O novo formato de comunicação será o totalmente interativo, prosperará quem o ajudar a criar uma narrativa mais forte e a contar uma história mais convincente usando as estruturas comprovadas desenvolvidas há milênios, quando, talvez, nem existisse a fala como a concebemos.

Você nunca contou uma história? Não tem problema!

Imagine-se na sala da sua tia e comece contando o que lhe aconteceu hoje para que a sua tia SAIBA, SIMPATIZE com a sua luta para chegar à casa dela e lhe CONCEDA a maior fatia do bolo recém assado.

Comece por aí. Se gostar, haverá muitas portas pelas quais poderá ingressar neste mundo mágico em que uns visitam, sem pudores, as mentes e corações dos outros, transformando as suas próprias vidas e as deles, transformando culturas empresariais fossilizadas, dando novos rumos às empresas e às pessoas que serão as líderes de agora em diante.

Se desejar, reabasteça a sua criatividade lendo poesia, pois poesia permite que você se apaixone pela linguagem, pelo ritmo da vida no planeta. Há tanta informação nova a processar, a poesia, então, tem essa capacidade de dividir tudo em pedaços menores e mais ricos, ajudando-o a contar histórias mais instigantes, impactantes e transformadoras. Na minha trajetória de mais de 40 anos de trabalho nesta área do conhecimento, insisto: as pessoas se veem nas histórias, e é isso que torna o Storytelling, o como melhor alinhar e contar histórias, tão poderoso. Nas histórias, você experimenta uma jornada, experimenta o mundo com lógica alternativa, desenvolve um forte senso de empatia com personagens como e diferentes de você, e faz isso por uma simples razão: as histórias, sobretudo, mexem com o que está acontecendo dentro de você e te levam à ação.

Chamado para a ação
Livros e suas histórias.

(*) 5 Lições de Storytelling – Persuasão, Negociação e Vendas, de James McSill (674 páginas, Ed. DVS, Brasil)

James McSill
James McSill
james@mcsill.com

Um dos consultores de histórias mais bem-sucedidos do mundo, autor, conferencista e filantropo.

Sem Comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!