Mais consistência, menos achismo

Algo tem me intrigado nos últimos tempos: a quantidade de “especialistas de artigo de Internet” falando bobagem e besteira atingiu níveis estratosféricos!

O sujeito lê um livro de coaching e vira coach; o outro assiste uma palestra sobre liderança e vira o formador de líderes; o terceiro ouviu falar em startup e vira o maior mentor e investidor-anjo do planeta.

Li uma matéria sobre storytelling, acusando a Diletto, entre outras, de criar histórias falsas para vender sua marca e associando essa prática com storytelling, cuja frase de abertura era:

“Dois pontos mudaram a visão das marcas em relação aos seus trabalhos de comunicação: a possibilidade de falar direto com o consumidor sem precisar de publicidade em TV, rádio ou impressos, e a valorização do artesanal. Foi diante desse cenário que surgiu o storytelling.”

Oi? Vejam o tamanho da besteira: o storytelling, na visão implícita na frase acima, só se materializou há pouquíssimo tempo, já que o quadro que ele descreve não tem mais que uma década.

Ora, me poupe!!!! Storytelling existe há séculos! A humanidade conta histórias desde antes de descer da árvore (o fazia por desenhos antes mesmo de inventarmos a língua escrita ou falada). E mesmo que queiramos restringir nosso universo de tempo à sistematização do conhecimento e técnica de como se contar histórias, isso existe pelo menos desde a Grécia antiga.

O problema é que os entendidos de final de semana adoram polemizar sem conhecimento. E aí, pobre do cérebro de quem tem mais que dois neurônios. O que a matéria que mencionei descreve, não são casos de Storytelling. São casos do famoso lorotelling, que é a criação de estórias fantasiosas, eventualmente, utilizando técnicas de Storytelling.

As técnicas de storytelling tem sido utilizadas com imenso sucesso por várias companhias (que o diga a Coca-Cola, pra ficar apenas no exemplo de maior destaque). Como tudo na vida, o que diferencia o bom do ruim, é o USO que se faz da técnica. E pra isso, é preciso um pouquinho mais de conhecimento do que a leitura daquele artigo tão interessante que saiu na Internet.

Mais coerência, mais consistência, e menos achismo barato. Contra isso, só há um remédio: senso crítico. Precisamos investir nisso!

Allan Costa
Allan Costa
allan@bstorytelling.com.br

Pai do Lucca, palestrante, empresário, empreendedor, consultor de negócios, conselheiro de administração, investidor anjo, mentor de startups, músico amador e motociclista de aventura. Acredita na capacidade das pessoas para promover transformações e que os maiores pecados das empresas contemporâneas são as obviedades, a mediocridade e as tartarugas nas árvores.

No Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.