Porque toda cidade precisa de uma narrativa do clima

Porque toda cidade precisa de uma narrativa do clima

Os perigos da mudança climática exigirão que elaboremos novas políticas, financiemos pesquisas científicas e repensemos dramaticamente a maior parte da infraestrutura de que dependemos – tudo, de energia a alimentos e transporte. Os defensores de um New Deal Verde insistiram que precisamos de uma mobilização em escala da Segunda Guerra Mundial para frear uma economia movida a combustíveis fósseis. Tudo isso pode conjurar o trabalho de engenheiros, planejadores urbanos, designers, cientistas e formuladores de políticas.

Mas isso não é tudo. Também precisaremos de mais contadores de histórias para criar uma narrativa do clima, diz Jeff Biggers. Biggers, um jornalista, dramaturgo e historiador, escreveu centenas de artigos e oito livros, incluindo Resistance: Reclaiming an American Tradition e Reckoning at Eagle Creek: The Secret Legacy of Coal in the Heartland. Ele passou décadas profundamente envolvido em movimentos de proteção ambiental e justiça, mas diz que ainda achava que estávamos longe de inspirar a mudança necessária para enfrentar a escala do problema.

Jeff Biggers
Jeff Biggers lê seu livro Resistance. Foto cedida pelo autor

Narrativa do Clima

Então, em 2014, ele iniciou o Projeto Narrativa do Clima, que trabalha com escolas de ensino médio, universidades e comunidades em todo o país para fundir ciência e arte em novas narrativas sobre mudança climática e soluções que atravessam disciplinas e mídia.

A motivação para iniciar esse projeto foi sua percepção de que temos uma crise de comunicação tanto quanto uma crise climática. A maior parte das pessoas reconhece o problema da mudança climática, mas raramente discute ou sabe como se engajar em ações práticas.
Muitas vezes falhamos em comunicar a história certa para obter apoio suficiente para mudar políticas destrutivas ou responsabilizar as empresas e seus políticos bancários por seus crimes ambientais.

Nova Geração de Contadores de Histórias

Precisamos reunir ciência, humanidades e artes para criar novas narrativas climáticas que possam estimular ações e vislumbrar formas de soluções regenerativas: na verdade, treinar uma nova geração de contadores de histórias como organizadores da comunidade.
É necessário treinar com artistas em todas as formas de contar histórias – dança, teatro, cinema, palavra falada e escrita criativa, artes visuais e rádio – a fim de repensar os nossos caminhos em relação a energia, comida, lixo, design urbano e transporte, e nossa conexão à nossa história e natureza locais. Depois, é preciso traçar um roteiro através de histórias sobre como podemos transitar para a criação de cidades e campi regenerativos neutros de carbono – maneiras pelas quais não simplesmente "causamos menos danos", mas consertamos ativamente a destruição ambiental e reabastecemos nossos recursos naturais.

Ecopolis

Ecopolis
Um mural do projeto "Ecopolis" em Gary, Indiana. Foto de Jeff Biggers

Um exemplo interessante dos efeitos que esse projeto causa em comunidades são as histórias de "Ecopolis", compostas por um grupo de fazendeiros urbanos, rappers, educadores, músicos de jazz e artistas em Gary, Indiana, que reuniram uma coalizão excepcionalmente diversa – grupos ambientais principais, igrejas, professores e estudantes, empresários, administradores municipais – com sua visão da famosa cidade siderúrgica como uma cidade regenerativa neutra em carbono, passando por uma década de transições para zonas verdes e economias circulares, mitigação do solo e comida local, reconstituição e reconexão para as extraordinárias e biodiversas dunas de Indiana.
Após o evento de teatro multimídia em uma igreja movida a energia solar, os grupos locais sentaram-se para um almoço organizado pelos agricultores urbanos e começaram o processo de tornar essa visão uma realidade.

Projeto Narrativa do Clima

Projeto Narrativa do Clima
Histórias do clima, mostruário colaborativo de estudantes

A colaboração do Climate Stories Collaborative da Apalachian State University, que acompanhou o treinamento sobre o Projeto Narrativa do Clima como uma iniciativa para reunir 23 diferentes unidades acadêmicas e departamentos para envolver alunos e professores em ações climáticas orientadas pela história.
Se levamos a sério o engajamento das comunidades na ação climática e na justiça ambiental, a narração de histórias e todas as artes devem desempenhar um papel fundamental em nossas iniciativas. Focalizar recursos em burocratas, forças-tarefa e estudos de comissionamento que ninguém lê é algo ultrapassado, que não gera engajamento e resultados – é preciso investir nas artes, contadores de histórias, escritores, dramaturgos e agricultores.

Todas as organizações, universidades e cidades devem ter um contador de histórias sobre clima, um artista-residente do clima, um agricultor-residente, etc., se quisermos atender à urgência da ação climática. Devemos ser treinar brigadas de contadores de clima para surpreender, inspirar e organizar nossas comunidades.

Adaptado livremente do Ecowatch

Thiago Amadigi
Thiago Amadigi
thiago@bstorytelling.com.br

Co-founder da B! e filmmaker. Star wars, vídeo game e Madonna, sempre. Tenho dificuldades para me equilibrar na cadeira do escritório. Gosto de discutir os grandes temas da vida: MasterChef, política e cinema. Nessa ordem.

Sem Comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!