Storytelling? Por onde começar?

A primeira vez que ouvi falar sobre Storytelling achei o nome legal, porém me parecia algo tão sofisticado e distante da minha realidade, que não dei muita importância para o tema, mas não adianta, como diz Guimarães Rosa: “O que tem que ser tem muita força” e assim foi pra mim.
Apesar de achar coisas legais na internet, sempre me pareceu que faltava aquele “algo mais”, como se existisse uma arca do tesouro escondida em algum lugar que eu precisava encontrar. Aprendi lendo, tateando, praticando, acertando e principalmente errando (muito!) Ah, como eu gostaria que em vários desses momentos, alguém sentasse ao meu lado e dissesse: Vai por esse caminho!
E não adianta, quando se diz que o conhecimento deve ser construído, ele deve realmente ser arquitetado pacientemente.
Mas então, por onde começar a estudar sobre Storytelling?
Primeiro, comece sabendo que Storytelling nada mais é do que contar histórias e saber sobre Storytelling é conhecer a estrutura por trás dessas histórias para assim atingir a emoção das pessoas ou seja engajar seu público. Acredito que isso é o “sabre de luz” das narrativas, e assim como um bom Jedi sabe como manusear sua espada, um Storyteller sabe manipular a estrutura das histórias para gerar emoção e transformar pessoas.
Mas e quais são esses elementos? Que estrutura é essa? Onde encontro tudo isso?
Existem inúmeros livros com excelentes conteúdos para aprender sobre estrutura de histórias, poderia escrever um artigo só sobre indicações legais para aprender mais sobre estruturas, mas por hora, indico alguns deles: O herói de Mil Faces de Campbell, Manual do Roteiro de Syd Field, Story de Robert Mckee, 5 Lições de Storytelling de James McSill. Eu comecei me debruçando sobre cada um deles, mas confesso que fiquei meio perdida no começo e precisei ler e reler muitas vezes vários capítulos para começar a entender o que o autor queria passar (vale lembrar que esses são livros com muitos termos técnicos). Nem mesmo minha formação em psicologia ajudou na hora de estruturar toda essa informação em minha cabeça, de alguma forma parecia que as coisas não se encaixavam e precisei de um tempo para acomodar estas informações, lapidar e construir o meu conhecimento. Sei que ainda tenho muita coisa a aprender, contar histórias apesar de ser algo tão antigo como a própria organização da sociedade, ainda surpreende a cada dia, mas se hoje eu fosse aquela pessoa que senta ao seu lado e diz: Vai por este caminho, eu falaria… Comece pequeno, procure entender pequenas coisas, não caia no erro do macro, vai pelas beiradas igual como se come mingau, um pouquinho a cada dia se torna um tantão depois de um tempo. E uma dica bacana (que eu gostaria que tivessem me dado) é comece lendo a Série Book in a Box. São livretos rápidos, curtos e com exercícios simples, mas extremamente válidos para fixar conhecimento, ainda mais na fase inicial que é tão importante, não existe uma ordem certa para ler os livros, mas sugiro que comece pelo de capa rosa de James McSill e Nano Fregonese – Técnicas básicas para estruturação de romances comerciais (romance neste caso, não é aquilo que você está pensando, mas um gênero narrativo). Eu o li em três horas, exatamente a indicação que os autores sugerem para concluir o livro.

Coleção Book in a Box, da DVS Editora

De um jeito simples, com analogias básicas é possível entender sobre a construção de personagens, estrutura de história, criação de cenas e muito mais. É um livro como disse anteriormente, que vai construindo seu conhecimento pouco a pouco mas que pode ser devorado rapidamente. Vai por mim, o livro é singelo, despretensioso e acima de tudo uma grata surpresa, vale a leitura.

Gisele Meter
Gisele Meter
gisele@bstorytelling.com.br

Idealizadora da Plataforma Liderança Feminina e Diretora de Marketing e Desenvolvimento da BM Pré-Moldados. Psicóloga e escritora, especialista em marketing e mestranda em direção estratégica de empresas familiares

Sem Comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.