A arte do storytelling de Humans of New York

Brandon Stanton se mudou para Nova York em 2010. Fotógrafo amador, ele se encantou pelos anônimos com quem cruzava no dia a dia da cidade. Começou então a tirar fotos dessas pessoas e postá-las no facebook. As fotos começaram a fazer sucesso e foi aí, do interesse genuíno pelos desconhecidos, que ele fundou o projeto Humans of New York , através de uma fanpage no facebook. Ele passou então a colecionar histórias de pessoas normais, que encontrava principalmente nas ruas de NY. Atualmente, só na fanpage já são mais de 14 milhões de curtidas.

 

11760193_1030276747046425_9212284580959428074_n

Um post típico do Humans of New York: “Eu tinha 16 anos quando engravidei minha namorada. Fomos até a clínica de aborto na 59th street. Nós preenchemos os papeis e tudo mais. Logo antes de sermos chamado, nós olhamos um para o outro e dissemos: vamos embora daqui”. 

 

O que você faria se um desconhecido te abordasse na rua pedindo para você contar a história de sua vida? Humans of New York retrata anônimos e trechos da entrevista que Stanton faz com eles. Não há regras para as histórias contadas. Podem ser histórias de uma vida inteira, devaneios, sonhos, medos. Através de uma foto e uma entrevista, ele desenvolveu técnicas para fazer com que as pessoas contem histórias de suas próprias vidas. São registros sobre todos os tipos de pessoas. Stanton consegue fazer com que cada uma tenha seu encanto, extraindo o melhor delas. Qual o segredo por trás da maneira como Stanton leva as pessoas a contarem suas próprias histórias? “Não julgo ou critico. Eu entrevisto pessoas pois tenho interesse genuíno e compaixão. Manter esse espírito é o que faz o HONY sobreviver. Se essa cultura morrer, morremos junto.”, diz Stanton. Para ele, as pessoas não devem se sentir ameaçadas ou julgadas quando estão sendo entrevistadas. “Eu posso existir mesmo sem audiência mas não posso existir sem as pessoas me contando suas histórias.”

Para Stanton, as pessoas não são muito boas em contar a própria história, elas são por vezes vagas e imprecisas. Interromper com educação e engajar a pessoa são parte de seu trabalho. “Entrevistar alguém exige proatividade e fazer com que as pessoas abandonem suas defesas”, ele diz. “Minha entrevista é bem direcionada e eu sou bem participativo. Não há nada que as pessoas não te contem quando você pergunta de maneira legitimamente interessada.”

O projeto de Brandon Stanton já se tornou referência no mundo inteiro, inspirando o surgimento de muitas outras páginas no facebook. Cidades como São PauloAmsterdã e Paris já ganharam suas próprias versões. Ainda assim, para Stanton, as histórias não devem ser tratadas como produtos. É por isso que ele não faz nenhum tipo de propaganda e somente ganha dinheiro com suas palestras e livros. “Eu quero que o HONY seja sobre contar histórias de pessoas e pronto. Por isso não gosto da ideia de fazer dinheiro com isso, baseado no valor dessas historias.”

Confira o vídeo sobre o projeto:

 

Adaptado do original em inglês. Publicado originalmente no Ted Ideas 

Gabriela Kinaske
Gabriela Kinaske
gabriela@bstorytelling.com.br

The relationship between people and marketing is becoming more and more multisensory. This means that the value of a brands exists and is sustained by emotional plans, coexisting with business plans and objectives. Storytelling uses emotional aspects of communication and is one of the most powerful ways to communicate a brand. Giving products and services an identity, by capturing and creating authentic stories, takes the public to an immediate connection. Knowing, understanding and reproducing the story of your brand is a strategy that follows the changes of a highly complex market.

No Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.